quarta-feira, 20 de julho de 2016

RITO CELESTIAL

Pedro Paulo Paulino

Nos céus repete-se adorável rito:
É noite de mais uma Lua cheia.
Somente alguma estrela no infinito
Timidamente ante o luar vagueia.

Resto de nuvem que desliza aflito
Recorda vagamente uma sereia.
O dobre do silêncio é quase um grito,
Nos ermos ao redor da minha aldeia.

A noite cresce ingênua e compassiva,
E quanto mais a noite se condensa,
Mais vai ficando bela a Lua altiva.

Por fim, na paz do seu clarão enorme,
– Que todo o afã do dia recompensa –
Descansa a terra e a própria noite dorme.

Nenhum comentário:

Postar um comentário