domingo, 17 de novembro de 2013

A escritora cearense Rachel de Queiroz nasceu em 17 de novembro de 1910, em Fortaleza. Em 2010, por ocasião do seu centenário, publicamos este cordel, premiado em concurso nacional do Ministério da Cultura.


 O CORDEL NO CENTENÁRIO
DA ESCRITORA RACHEL


Pedro Paulo Paulino

Rachel de Queiroz nasceu
No Estado do Ceará,
Filha de família ilustre
Dos sertões de Quixadá.
Seu nome entrou para história,
Das letras é nossa glória,
Na ABL hoje está.

Na Academia de Letras
Rachel de Queiroz fulgura.
Foi a primeira mulher,
Com a vocação mais pura,
A subir o pedestal
Pra se tornar imortal
Na nossa Literatura.

Mil novecentos e dez
Findou cheio de alegria,
Pois foi no mês de novembro
(E dezessete era o dia)
Que com total realeza
Na Capital Fortaleza
Rachel de Queiroz nascia.

Ano do cometa Halley
Na passagem mais famosa;
Foi quando também nasceu
O sambista Noel Rosa;
Ano santo de Jesus
Que deu à Terra da Luz
Rachel Rainha da Prosa.

Nasceu trazendo nas veias
O sangue da terra quente,
Iluminada por Deus
Pra se tornar fielmente
Por toda a vida adiante
Mais pura representante
Do seu chão e sua gente.

Daniel de Queiroz Lima,
Foi este, seu pai querido,
E D. Clotilde Franklin,
Nome jamais esquecido,
Pois foi ela a genitora
Da nossa grande escritora
Que o mundo inteiro tem lido.

Foi no ano dezessete
Que os pais com a Rachel
Se mudaram para o Rio,
Após a seca cruel
Do quinze, que inspirou
Rachel, que se projetou
Com seu nome no papel.

Porém, muito pouco tempo
A família passou lá.
Depois moraram no Norte
Em Belém e no Pará.
Mas refazendo seus planos
Em pouco mais de dois anos
Voltaram pra o Ceará.

Rachel de Queiroz, bem jovem,
Após o Curso Normal,
Já mostrava o seu talento
E vocação pra jornal,
Pois cedo marcou presença
Estreando na imprensa
Seguindo o seu natural.

No grande jornal O Povo
Rachel marcou trajetória
Escrevendo belas crônicas
Que ficaram na memória
Sua prosa iluminada
Clareou a sua estrada
De muito sucesso e glória

Seu nome logo cresceu
Como grande jornalista,
Para depois se tornar
A famosa romancista
Que na trilha de escritora
Foi cronista e tradutora
E destacada contista.

Inspirada em grande seca
Que ela testemunhou
(A feia seca do Quinze
Que o Ceará assolou),
Escreveu o seu romance,
Tendo já tão grande alcance
Que a todo Brasil chegou.

Com vinte anos de idade,
Rachel, tão precocemente,
Conquistou celebridade
E fama nacionalmente.
O seu nome, desde então,
Alcançou repercussão
No meio de toda gente.

O Quinze retrata o drama
Do sertanejo sofrido
Na tragédia de uma seca,
Como tem acontecido
Tantas vezes no Nordeste,
Provocando fome e peste
No povo desassistido.

No seu romance, Rachel,
Como testemunha séria
Descreve toda penúria
Que uma seca deletéria
Provoca no nosso meio,
Gerando grande aperreio
Do povo contra a miséria.

Alcançou tanto sucesso
E repercusão tamanha,
Que no ano trinta e dois
Merecidamente ganha,
Como escritora e artista,
O prêmio de romancista
Da Fundação Graça Aranha.

Rachel se tornou querida
Pelo povo brasileiro
Na coluna semanal
Que assinava na Cruzeiro,
Aquela grande revista
Da qual se tornou cronista
Lida no Brasil inteiro.

Na Cruzeiro, ela escreveu
Trinta anos, sem cessar,
Abordando todo assunto
Com seu modo de pensar,
Num perfeito panorama
Conquistando grande fama
De cronista popular.

Pois ela não escondia
Seu próprio ponto de vista.
No cenário da política
Foi militante, ativista.
Mesmo sendo perseguida
Era uma fã aguerrida
Do Partido Comunista.

Mas como grande escritora
É que ganhou projeção
Conquistando o seu lugar
Entre os grandes da nação.
Romancista preferida,
Era cada vez mais lida
Em toda publicação.

Cerca de trinta volumes
Ela escreveu, afinal,
Entre os quais, Maria Moura,
Famoso Memorial
Que a Rede Globo Gravou,
Trabalho que conquistou
Renome internacional.

Entre prêmios de destaque,
Mais de 20 ela ganhou.
Também com várias medalhas
O Brasil a premiou.
São tantas premiações
Que até o ‘Prêmio Camões’
Rachel também conquistou.

Além de grande escritora
Com todos seus cabedais
De cultura e de talento,
Rachel de Queirós fez mais
Com sua pena distinta,
Traduzindo mais de trinta
Romances universais.

Eleita pra Academia
Num momento bem feliz
No ano setenta e sete,
Conforme seu meio quis,
A Rachel foi a primeira
Escritora brasileira
Acadêmica do país.

Usando prosa agradável
E com seu talento fino,
Escrevendo com leveza,
Com coerência e com tino,
A Rachel tem seus primores
Entre os grandes escritores
Do romance nordestino.

Entre os quais, Graciliano,
José Lins, José Condé,
Que mostraram pela arte
O Nordeste como é,
Como fez na sua meta
O nosso grande poeta
Patativa do Assaré.

Dia quatro de novembro
Do ano 2003,
Na fazenda ‘Não Me Deixes’,
A morte, por sua vez,
Nossa Rachel carregou
E nossas letras deixou
Em profunda viuvez.

Rachel de Queiroz se foi
Mas deixou pra eternidade
O mundo que ela compôs
Na sua simplicidade.
Seus trabalhos publicados
São mais um desses recados
Dos gênios pra humanidade.

Eternamente entre os vivos
Estará nossa Rachel,
E para homenageá-la
Não faltará menestrel:
Arte se paga com arte.
Assim, pago minha parte
Nestes versos de Cordel.


Nenhum comentário:

Postar um comentário